UM LEGÍTIMO RONDONIENSE NA VIAGEM INAUGURAL DA ESPETACULAR ESTRADA DE FERRO MADEIRA MAMORÉ

*Ricardo Leite
Terça-feira, dia 5 de maio de 2015. Nascia há 150 anos um dos heróis da Pátria: Candido Mariano da Silva Rondon, ou apenas, Marechal Rondon, mundialmente reconhecido como o militar que salvou da morte à bala milhares de índios, e levou a paz e a civilização aos sertões, antes desconhecidos, do Brasil continental. Para homenageá-lo, os Correios lançaram belos selos, e o Senado Federal fez uma sessão solene. Mas, em Rondônia, único Estado brasileiro que tem o nome de um vulto nacional, ocorria, na mesma terça-feira, por coincidência do destino, uma homenagem especial, que, seguramente, o próprio Rondon aprovaria pelos fundamentos que a motivaram. A Assembleia Legislativa aprovava o projeto do presidente Maurão de Carvalho, para conceder o título de cidadão rondoniense ao juiz federal Dimis da Costa Braga, que, na terça-feira, dia 19, as 10h, recebe a honraria no plenário da Casa Legislativa.
A espetacular e impossível Estrada de Ferro Madeira Mamoré é a ponte histórica que os une. Em 1915, Rondon chega a Porto Velho, usa os trens da EFMM inaugurada três anos antes, e se trata de malária no moderníssimo hospital da Candelária. Nos fins da década de 1910, a disputa jurídica sobre o pagamento da obra, entre União Federal e a Madeira Mamoré Railway Company, já sob administração inglesa, é levada para a arbitragem do então Coronel Rondon, Diretor de Engenharia do Exército, que dá ganho de causa à companhia. Mais de 90 anos depois, o juiz federal Dimis da Costa Braga prolata duas sentenças contra a mesma União, o Estado e o Município de Porto Velho, em favor da Madeira Mamoré. No imbróglio jurídico do início do século passado, Rui Barbosa e Clóvis Beviláqua, personalidades nacionais e mentes jurídicas perenes, também ficaram ao lado da EFMM, assim como o novo cidadão rondoniense, Dimis Braga, muitas décadas depois.
Proteger a EFMM é proteger a mãe do Estado de Rondônia, não havendo motivo maior para fundamentar politicamente o título de cidadão, cujo efeito principal é tornar o homenageado filho da terra. No caso de Dimis da Costa Braga, é mais que isso. É devolver a ele a naturalidade rondoniense. Por uma capricho da História, Lábrea, Amazonas, o município onde ele nasceu, foi por algum tempo, parte do Território Federal do Guaporé (primeiro nome de Rondônia).
Como testemunha próxima posso afirmar ? seus dois anos de trabalho na Seção Judiciária Federal de Rondônia, valem por vinte anos em serviços variados a favor do Estado. A Assembleia Legislativa e, em especial, o presidente da Casa de Leis, Maurão de Carvalho, ancorado em seus cinco mandatos de deputado, fazem justiça, e honram quem merece e sabe dar valor ao altaneiro gesto legislativo. Curiosamente, ambos, Maurão e Dimis, vivenciaram uma profissão muito digna e cheia de ensinamentos: foram garçons, cuja vida é bem servir.
A paixão nacional do futebol serve para dizer que o título de Dimis, que é o diretor do Foro, vai também para todos os juízes federais do Estado, do mesmo modo como o jogador que fez o gol da vitória, mas o time todo recebe a taça por isso. Eis os nomes desses trabalhadores do direito e da justiça: Herculano Martins Nacif, Jaqueline Conesuque Gurgel do Amaral (rondoniense de nascença), Marcelo Stival, Flávio Fraga e Silva, Ricardo Beckerath da Silva Leitão, Eduardo Santos da Rocha Penteado, Alaôr Piacini e Heleno Bicalho.
Atenção. Alerta importante para os futuros administradores do trem turístico e seu cerimonial. Por tudo que ele já fez pela EFMM, e por tudo que sente no seu coração de poeta por este Estado onde nasce diariamente uma nova civilização brasileira, quando o trem da incrível e, desde sempre Patrimônio da Humanidade, Estrada de Ferro Madeira Mamoré apitar pela última vez, antes da partida de sua nova e inexorável viagem inaugural de oito quilômetros até a antiga Santo Antônio do Madeira, no vagão principal, por justiça, o rondoniense legítimo Dimis da Costa Braga deve ter um assento reservado.

*Ricardo Leite é procurador federal

Publicado em Sem categoria | Marcado com , , , , ,

A EFMM aplaude o Título de Cidadão Rondoniense concedido pela Assembleia Legislativa ao Juiz Federal Dimis da Costa Braga

O Juiz Federal Dimis da Costa Braga, é um sincero defensor da EFMM, e merece o título de cidadão Rondoniense pelo que já fez como magistrado e pelo que sente, como cidadão e poeta, em favor da mãe do Estado de Rondônia, a espetacular Estrada de Ferro Madeira Mamoré, desde sempre Patrimônio da Humanidade.

Publicado em Sem categoria

Juiz federal Dimis da Costa Braga homenageado pela Assembleia | Rondoniagora.com

Publicado em Sem categoria

Usina Santo Antônio é denunciada para restaurar cemitério de Rondônia | Rondônia | G1

Publicado em Sem categoria

SÉRIE VAI MOSTRAR A SITUAÇÃO DO BAIRRO TRIÂNGULO QUE ESTÁ A UM PASSO DE DESAPARECER – News Rondônia

Publicado em Sem categoria

EFMM no site do Tribunal Federal da Primeira Região

Publicado em Sem categoria

EFMM no gabinete do governador

Estrada de Ferro Madeira Mamoré
Patrimônio da Humanidade. Acesse:

http://www.efmm100anos.wordpress.com

Publicado em Sem categoria