Eduardo Campos Governador de Pernambuco na EFMM em 2012

http://www.efmm100anos.wordpress.com

Publicado em Sem categoria

Vídeo promocional da EFMM – Patrimônio da Humanidade. Faça também o seu e publique no Youtube

Publicado em Sem categoria

ANIVERSÁRIO DA INAUGURAÇÃO DA EFMM. Poder Legislativo de Rondônia faz História. Promove grande e belíssima campanha na imprensa Pro-Candidatura da EFMM, e divulga marcante e legítimo pronunciamento oficial do Presidente da Assembleia Legislativa, Deputado Hermínio Coelho, no dia do centenário.

Veja este vídeo no YouTube:

Enviado via iPhone

Publicado em Sem categoria

ANIVERSÁRIO DE INAUGURAÇÃO DA EFMM. Pronunciamento oficial do Governador Confucio Moura

Veja este vídeo no YouTube:

Enviado via iPhone

Publicado em Sem categoria

Campanha de TV do Poder Legislativo Pro-Candidatura da Estrada de Ferro Madeira Mamoré a Patrimônio da Humanidade

Veja este vídeo no YouTube:

Publicado em Sem categoria

Trailer Internacional da minissérie Mad Maria é ‘Superprodução Hollywoodiana’

Publicado em Sem categoria

G1 – Donos de barcos ajuízam ação para continuar na Madeira-Mamoré, em RO – notícia s em Rondônia

http://g1.globo.com/ro/rondonia/noticia/2014/09/donos-de-barcos-ajuizam-acao-para-continuar-na-madeira-mamore-em-ro.html

Donos de barcos ajuízam ação para continuar na Madeira-Mamoré, em RO

Barcos de turismo tiveram notificação da SPU para sair da EF Madeira Mamoré (Foto: Ivanete Damasceno)Barcos de turismo tiveram notificação da SPU para sair da EF Madeira Mamoré (Foto: Ivanete Damasceno)

Proprietários de barcos de turismo que operam nas margens do Rio Madeira, em frente à Estrada de Ferro Madeira Mamoré, em Porto Velho, ingressaram com ação na Justiça Federal para pedir a anulação da determinação feita pela Superintendência do Patrimônio da União (SPU), em 22 de julho deste ano, para que a área fosse desocupada em 24 horas. Embora nenhuma multa ou penalidade tenha sido imposta, o órgão alegou que a manutenção das embarcações e o porto improvisado na margem direita do rio são irregulares e que o objetivo era identificar quem não tinha autorização para trabalhar no local. A Defensoria Pública da União ajuizou a ação em nome dos proprietários dos barcos.

“São mais de 30 famílias colaborando direto com esse trabalho e o governo não tem outras alternativas turísticas. Nós oferecemos isso de próprio esforço pessoal. Dizem que ali é patrimônio público, e nós somos o quê afinal?”, questiona João Ribeiro Nogueira, que trabalha na área há quatro anos. Já Márcio Barros Passos, há 14 anos no ramo, reclama que a decisão foi imposta de maneira injusta. “Nos deram 24 horas para desocupar o lugar. Perguntamos para onde iríamos e falaram que não queriam saber, apenas que era pra sair”, relata. Segundo Márcio, se a decisão for mantida, sua família ficará prejudicada, já que não possuem outra renda.

De acordo com o defensor público da União Thiago Miotto, responsável pela ação em nome dos donos das embarcações, o objetivo é pedir que a decisão seja anulada e então regularizar a situação dos proprietários. “Eles não tiveram oportunidade de regularizar a situação deles. São pessoas que estão na área há décadas e a atividade gera empregos”. Para Miotto, trata-se de preservar história e fortalecer o potencial turístico.

Em contrapartida, o superintendente da SPU, Antônio Roberto Ferreira, afirma que a decisão parte do princípio que a área da estrada de ferro é um patrimônio tombado e não um porto. “Eles têm que trabalhar no local correto, e nós já temos o porto municipal. Para ocupar qualquer bem público, tem que haver licitação. Sem contar os perigos a que os usuários estão expostos”, afirma. Em relação ao prazo de 24 horas, o superintendente diz que o enquadramento do prazo se deu por que o barco é um bem móvel.

Estrada de Ferro Madeira Mamoré
Patrimônio da Humanidade. Acesse:

www.efmm100anos.wordpress.com

Publicado em Sem categoria

Passeio de lancha no Rio Madeira com narrativa cultural

Confira este vídeo no YouTube:

http://youtu.be/R22w_xb9F2w

Estrada de Ferro Madeira Mamoré
Patrimônio da Humanidade. Acesse:

http://www.efmm100anos.wordpress.com

Publicado em Sem categoria

Livro retrata com magia e rara beleza o amor das crianças pelos trens

Estrada de Ferro Madeira Mamoré
Patrimônio da Humanidade. Acesse:

http://www.efmm100anos.wordpress.com

Publicado em Sem categoria

Revitalização da Madeira-Mamoré, em RO, recomeça no final de setembro | Rondônia | G1

http://g1.globo.com/ro/rondonia/noticia/2014/09/revitalizacao-da-madeira-mamore-em-ro-recomeca-no-final-de-setembro.html

Revitalização da Madeira-Mamoré, em RO, recomeça no final de setembro

Oficina do complexo foi tomada pela cheia do Rio Madeira (Foto: Gaia Quiquiô/G1)Oficina do complexo foi tomada pela cheia histórica do Rio Madeira (Foto: Gaia Quiquiô/G1)

A revitalização do complexo da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré (EFMM), em Porto Velho, será retomada no final de setembro, com a limpeza da oficina e das locomotivas. Por meio de recursos de compensação social das usinas hidrelétricas instaladas no Rio Madeira, os ex-ferroviários executarão o projeto de revitalização do patrimônio histórico, danificado pela águas durante a cheia histórica. A festa do centenário da capital de Rondôniaicon-desktop.png, a ser comemorado no dia 2 de outubro deste ano, deve acontecer em outro local.

Toda a terra acumulada na oficina, rotunda, gerador e maquinários será retirada. Três locomotivas serão lavadas e, futuramente, reformadas para voltar a funcionar. “Estamos esperando a convocação dos órgãos para iniciar o trabalho”, afirmou o presidente da Associação dos Ex-ferroviários, José Bispo de Moraes. A limpeza dos 10 metros ao redor da área da oficina também será feita pelos ex-ferroviários.

O trabalho compreende toda a área da EFMM até a Igreja de Santo Antônio e será acompanhado por técnicos do Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (Iphan) e do Ministério Público do Estado (MPE). O complexo será fechado para reforma dos galpões e prédios menores, bancos da praça, banheiros, deck e trilhos. Para isso, técnicos do Iphan devem discutir com a Prefeitura de Porto Velho a colocação de grades provisórias na entrada da praça, sem interferir na visibilidade da paisagem.

Locomotivas serão lavadas e toda a terra ao redor da oficina será retirada (Foto: Gaia Quiquiô/G1)Locomotivas serão lavadas e toda a terra ao redor
da oficina será retirada (Foto: Gaia Quiquiô/G1)

“Quando fecharmos, o funcionamento ocorrerá com horário fixo de visitação para o público. A rampa ficará fechada e a entrada será apenas pelas escadarias”, explicou o secretário Antônio Geraldo Afonso, da Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Turismo (Semdestur).

Após a reforma, um posto fixo da Polícia Militar deve ser instalado para atender a região central da cidade e realizar rondas na área.

De acordo com o presidente da Fundação Cultural de Porto Velhoicon-desktop.png (Funcultural), Cristhian Camurça, o fechamento para a reforma ainda não tem data definida, mas deve acontecer em breve, por isso, a comemoração de 100 anos de criação da capital, em 2 de outubro, provavelmente não poderá ser realizada no complexo.

Estrada de Ferro Madeira Mamoré
Patrimônio da Humanidade. Acesse:

www.efmm100anos.wordpress.com

Publicado em Sem categoria

A MADEIRA-MAMORÉ E A I GUERRA MUNDIAL – SÉRIE 100 ANOS DE PORTO VELHO – Gente de Opinião

http://www.gentedeopiniao.com.br/lerConteudo.php?news=129389

A MADEIRA-MAMORÉ E A I GUERRA MUNDIAL – SÉRIE 100 ANOS DE PORTO VELHO

I Guerra Mundial, chamada a “guerra das trincheiras” teve participação de funcionários da Madeira-Mamoré e tecnologia da Comissão Rondon

1.Este ano o município de Porto completará 100 anos de criação, próximo dia 2 de outubro. Por uma estranha coincidência histórica, a primeira Guerra Mundial (1914-1918) também completa 100 anos. Considerada a mais terrível guerra da história da humanidade a data praticamente coincide com a da Madeira-Mamoré, considerada a obra ferroviária mais cruel jamais construída em tempos de paz, e, nos dias atuais luta para ser reconhecida pela UNESCO como patrimônio da humanidade. Pois bem. A I Guerra Mundial, ocorrida na Europa, tem uma relação de proximidade e participação da ferrovia Madeira-Mamoré, como se verá a seguir. Durante o conflito, a Amazônia brasileira ainda era a maior produtora de borracha silvestre do mundo, apesar dos avanços da borracha cultivada no sudeste asiático nos mercados europeus e norte-americano. O governo brasileiro, as autoridades da Amazônia e do Mato Grosso e os seringalistas pareciam não dar muita importância aos efeitos do plantio de seringueiras nas colônias inglesas, francesas, holandesas, belgas e norte-americanas, a exemplo da Malásia, Ceilão, Hong Kong, Vietnam e Filipinas, a despeito dos alertas da Indian Rubber World, do Wortrade Board e do New-York Latex, que fixavam o preço da borracha e determinavam o câmbio no mercado internacional. Mesmo assim, a Amazônia exportou no início do conflito, e talvez por conta disso, 37 mil toneladas de borracha.

2.Neste cenário extrativo, produtivo e exportador, a ferrovia Madeira-Mamoré, com seu sistema intermodal de transporte intermodal rodo-ferro-hidroviário e marítimo teve importante papel no escoamento da economia amazônica. Esse foi um dos motivos que fizeram a empresa decidir aumentar seu quadro de funcionários e importar mais mão de obra estrangeira, entre 1914 e 1918, notadamente trabalhadores antilhanos e caribenhos, procedentes de Barbados, Santa Lúcia, Trinidad-Tobago e Nova Granada, dentre outros. Esses súditos ingleses aportavam em Porto Velho e eram locados ao longo da ferrovia até Guajará Mirim, onde iriam exercer funções de maquinistas, foguista, mecânicos, telefonistas, telegrafistas, carpinteiros e outras atividades na empresa.

3.Enquanto isso, a nível nacional, o governo federal buscava uma maneira de entrar na guerra, alistando brasileiros e, por extensão, estrangeiros residentes no Brasil de nacionalidade inglesa, francesa ou norte-americana. Desse modo, no início de agosto de 1918, o Congresso Nacional aprovou o projeto nº 085/1918, de autoria do deputado federal Nicanor do Nascimento, RJ, deliberando sobre a mobilização de estrangeiros no Brasil, súditos das nações aliadas, no caso de haver mobilização de tropas brasileiras, o que de fato viria a ocorrer. Por fim, o Brasil entrou no conflito e mobilizou para o campo de guerra europeu tropas terrestres e navais embarcadas nos navios a vapor “Bahia” e “Rio Grande do Sul”, em três destroyers, o “Parahyba”, o “Rio Grande do Norte” e o “Santa Catarina”, no cruzador “Belmont” e no rebocador “Laurindo Pita”.

4.Estava dado o sinal para o alistamento de voluntários estrangeiros. É aí que entram a Madeira-Mamoré e os negros antilhanos. Súditos ingleses, dispostos a participar da guerra, 48 funcionários da empresa Madeira-Mamoré, denominados genericamente barbadianos, partiram para a guerra no dia 1º de setembro de 1918. Esses voluntários viajaram até Belém, onde foram embarcados no vapor Tupy, com destino a Londres, para serem incorporados aos batalhões negros que combatiam os alemães e seus aliados. A guerra estava no final e não se tem notícias se eles entraram em combate, se retornaram ou se morreram na guerra. E lá se vão 96 anos de história brasileira, porto-velhense da Madeira-Mamoré. Por esta razão, esta coluna resolveu trazer a lume esta parte da história regional, talvez desconhecida para muitos estudiosos e professores e, até, por familiares destes homens, negros antilhanos, que, partindo de Porto Velho, da Madeira-Mamoré, foram servir ao Reino Unido, como cidadãos ingleses, na I Guerra Mundial.

5.Eis os seus nomes: Sidney Willians, J. Harrison, Donald Prescott, Franklin Clovis, Sinclair Clement, Norman Phillipps, James Edward, Sam Brown, Mac Donald Francis, Stanley Lewis, Alfred Archibald Jones, Gerald Odion, Milton Messiah Murray, Leonard Trotman, Arthur Nathanael Niles, Charles Seakless, Ruben Phillipps, Preston Springer, Eleazar Rock, Lionel Silvester, Hollosced Stacey Granble, Thomas Bradford, James Hicks, Joseph Mings, Charles Kirton, Willian Chesterfield, Willock James Jordan, George Lewis Moore, Cecil Greennidge, Henry Blebby Phillipps, Ruppert Burnet, Westerman Alonza Levine, Clarence Gardner Fritsgerald, Cecil Oliveira, Joseph Theophilus Camford, James Lorenzo Ashby, Motley Howard Phillipps, Eric Bourn, Isley Bowen, Arnold Fite Roberts, Peter Dubon, Adolpho Scotty, Wibbert Cumberbaten, Isaac Springer, Eustage Holder, e Herman Hoppin.

6.Portanto, se os trens da Madeira-Mamoré transportaram borracha para a I Guerra Mundial, como de fato ocorreu, a empresa The Madeira-Mamoré Railway Company Limited, liberou seus funcionários para participarem do mais grave conflito mundial. Esta coluna presta homenagem a espera ter contribuído para a elucidação de uma importante parcela da História de Porto Velho e de Rondônia.

A COMISSÃO RONDON – Mas, a I Guerra Mundial também se relaciona com a Comissão Rondon. Se não com homens em armas, mas com tecnologia. Foi primeira vez que foram utilizados veículos sobre esteiras rolantes: os tanques. Essas esteiras que permitiam aos veículos pesados percorrerem caminhos íngremes e pantanosos no cenário de guerra, e arrasar as trincheiras (foi a guerra das trincheiras escavadas), surgiram na Comissão Rondon, com ideia do oficial Alencarliense do Amarante, que criou o mecanismo no ano de 1909 para que os veículos da legião Rondon pudessem percorrer os picadões abertos na floresta durante as penetrações da Comissão Rondon. Não se sabe o meio, mas a indústria alemã tomou conhecimento do artefato inventado por necessidade de se cruzar as regiões pantanosas do Mato Grosso, e terminou aproveitando-o como modelo para as esteiras dos tanques de guerra.

Historiador e analista político(*)
Porto Velho, 1º.09.2014

Enviado via iPad

Publicado em Sem categoria

Estudantes na EFMM. Jornal da Amazonia

Confira este vídeo no YouTube:

http://youtu.be/Upney0N0Mzs

Enviado via iPad

Publicado em Sem categoria

Túnel do Tempo : o maquinista e a locomotiva 18

WordPress.com

Publicado em Sem categoria