EFMM recebe movimento quer resgate da cidadania e amor a Porto Velho

http://www.acriticanews.com/2016/05/15/movimento-quer-resgate-da-cidadania-e-amor-a-porto-velho/

Movimento quer resgate da cidadania e amor a Porto Velho

image_print

Com a participação da comunidade, praça da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré recebe primeiro ato; mobilização é contra estado de abandono da cidade e dos locais históricos

NA CAPITAL - Movimento quer o resgate da cidadania, proteção dos monumentos históricos e amor a Porto Velho

NA CAPITAL – Movimento quer o resgate da cidadania, proteção dos monumentos históricos e amor a Porto Velho

ZACARIAS PENA VERDE

“Era o eldorado do látex no Brasil; A riqueza que a cobiça alimentou; Nessa história Tio Sam também entrou; No Tratado de Petrópolis tudo começou; O Acre da Bolívia ganhei; E a borracha para o mundo eu exportei; Cada dormente é uma vida; A vida é uma flor; Na Maria Louca delirando eu vou; Em sucata o meu sonho terminou…”

Citando um trecho do samba enredo “Madeira-Mamoré, A Volta Dos Que Não Foram, Lá No Guaporé”, que a Unidos do Grande Rio contou a epopeia da lendária Ferrovia Madeira-Mamoré, no carnaval de 1997, o advogado e vice-presidente da Federação Nacional dos Servidores dos Poderes Legislativos Federal, Estaduais e do Distrito Federal (Fenale), para Região Norte, Raimundo Façanha, destacou a iniciativa do movimento liderado pela ala da juventude do PMDB, o movimento “Eu Amo Porto Velho”, que reuniu sábado (14), na praça da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, na capital, centenas de pessoas em seu primeiro ato cívico apartidário, pelo resgate de cidadania e pelo amor à cidade mais antiga e histórica de Rondônia.

A proposta do movimento é despertar na população a indignação pelo abandono e a falta de preservação da nossa história, afirma Façanha. Ao contrário do que trata a letra do samba, não podemos mais permitir que a cultura de Porto Velho, a tradição e o amor por nossa terra vire sucata e caia no esquecimento, como vem ocorrendo.

MOVIMENTO - Raimundo Façanha com o pastor Eliel Cabral e Osmarino, da Segunda Igreja Batista de Porto Velho

MOVIMENTO – Raimundo Façanha com o pastor Eliel Cabral e Osmarino, da Segunda Igreja Batista de Porto Velho

Filho de Porto Velho e morador do bairro Areal, um dos mais antigos da cidade, Raimundo Façanha elogia a iniciativa da ala da juventude do PMDB. Para ele, os jovens estão fazendo o que poder público deveria fazer, mas, infelizmente não faz.

Esse movimento deve ser apoiado pela comunidade e por instituições de classes, empresariais, de trabalhadores, enfim, de todos que mesmo não tendo nascido em Porto Velho, são filhos daqui por opção, pelo coração. Isso é o que importa, disse.

O primeiro de uma série de eventos que serão realizados em pontos estratégicos da capital, contou a participação de lideranças de vários segmentos da sociedade: sindicalistas, professores, servidores públicos, militantes de partidos políticos, pastores e membros de igrejas evangélicas. Eles apoiaram a proposta em defesa de uma Porto Velho.

AÇÃO APROVADA

EXEMPLO - Mara Valverde, defensora árdua dos valores da terra, apoia iniciativa

EXEMPLO – Mara Valverde, defensora árdua dos valores da terra, apoia iniciativa

A turismóloga e articuladora social Mara Valverde aprova a ação. Mara recorda que na época de juventude era comum nas escolas o estímulo pela história da cidade. A prática gerava na maioria a valorização das raízes e o amor pela terra, pela cidade.

Essa postura na educação a estimulou a optar pela área do turismo. Ela destaca o compromisso de seu marido, o saudoso deputado federal Eduardo Valverde, com o resgate da história de Rondônia. Em seu primeiro mandato, recorda Mara, ele propôs o tombamento da Madeira-Mamoré como patrimônio histórico nacional. A medida assegurou recursos para a revitalização do complexo turístico da estrada de ferro. “Infelizmente os administradores não estão fazendo a parte que cabe ao poder público. Por isso, vejo com esperança a iniciativa. Esse movimento tem que ganhar força pelo bem da nossa cidade”, afirma.

O mesmo pensamento tem a professora Lusângela França, moradora do bairro Areal. Para ela, o movimento tem que ser ampliado numa grande corrente por amor a Porto Velho. “Como filha da terra, gostaria que retomassem o resgate o museu da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, onde costumava ir quando criança. Gostaria ainda que o poder público revitalizasse as praças da cidade para que voltassem ser praças e não pontos comerciais como são hoje”, diz a professora.

EMOÇÃO - O portovelhense Williames Pimentel afirma que todos têm que amar uma cidade acolhedora como Porto Velho

EMOÇÃO – O portovelhense Williames Pimentel afirma que todos têm que amar uma cidade acolhedora como Porto Velho

O portovelhense Williames Pimentel se emociona ao falar sobre a importância do resgate do amor pela cidade. Ele relata que nasceu em uma casa na rua Brasília, esquina com a Sete de Setembro, quase em frente ao tradicional Mercado do Km 1, onde sua família tinha comércio.

Naquela época, todos tínhamos orgulho na nossa cidade. Nossos pais, professores e familiares nos ensinávamos a amar este lugar, nossa história, tradições, cultura, culinária. Isso, com o tempo vem se perdendo. “Temos que resgatar esse “bairrismo sadio”. Todos que estão e moram aqui são nossos irmãos e têm que defender essa terra tão acolhedora que é Porto Velho. Essa juventude do PMDB está nos dando a oportunidade de retribuir um pouco a uma cidade que nos deu muito”, afirma.CONFIRA ALGUMAS IMAGENS DA FESTA DA CIDADANIA.amor a porto velho-01 amor a porto velho-03 amor a porto velho-04 amor a porto velho-06 amor a porto velho-07 amor a porto velho-09 amor a porto velho-10

fonte: acriticanews.com

Enviado via iPad

Anúncios
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.